Páginas

domingo, 22 de janeiro de 2012

Filosofa de botequim.



— Não gosto do tempo assim , ameno, sabe ? — Ela disse, olhando para o céu azul que raiava lá fora através das janelas do restaurante.O sol brilhava, mas ventava bastante retirando o calor do ambiente.  
— Eu gosto. É o melhor tempo que tem, a gente não senti frio, tampouco calor. — Ele respondeu com um sorriso.
— É por isso mesmo que não gosto. Não gosto de nada mais ou menos.
— Como ?
— Mais ou menos. O tempo ta mais ou menos. Eu gosto de frio que faz a gente tremer e se agasalhar com várias blusas de frio grossas, da chuva forte, da neve caindo, de esquentar o corpo com um café bem quente. Gosto também do calor. Do calor escaldante, que faz suar, aquele calor que você procura uma praia , uma piscina ,uma ducha gelada para refrescar, o que tiver ao alcance. Entendeu ?
— Acho que sim.
—Sim, ou acho que sim ?
— Sim. Sim.
— Que bom. Porque acho que sim é outro mais ou menos. É uma incerteza, sabe ?
— Ah , é ?
— Aham. Veja bem, você não tem certeza que sim, você apenas acha. Pra mim só devia existir o sim ou não. Acho é só achismo. Entende ?
— Acho é só achismo. — Ele repetiu. — Tipo, sem certeza, né ?
— Achismo é só uma especulação. Não quer dizer que seja verdade.
— Entendi.
Ela sorriu.
— Acho que essa foi a conversa mais estranha sobre o tempo que eu já tive. Pelo menos a conversa fluiu bem , fugiu dos clichês de falta de assunto. — Ele sorriu.
— A conversa nem sempre flui muito comigo.
— Não acredito, você é tão bonita.
— Bonita e fechada. Beleza não Poe mesa, já ouviu ?
— Eu chamaria de misteriosa. E beleza ajuda a por a mesa — Ele disse com um sorriso malicioso, arrancando uma gargalhada dela.
— isso de a beleza ajudar a por a mesa que você disse, não faz sentido nenhum.
— Sem ofensas, mas você não faz sentido nenhum,minha querida.
— Só porque eu não gosto de mais ou menos ?
— Basicamente.
—  Então nem te conto o resto sobre mim, se não você vai fugir.
— Eu não me assusto tão facilmente, ainda mais com mulheres. Mulheres não me assustam. Só algumas.
— Tenho medo de entrar para a lista.
— Não tenha, as da lista são as mais interessantes.
— Você não perde uma!
— Eu ainda estou curioso com o negocio do mais ou menos. Você não gosta de nada, absolutamente nada mais ou menos ?
— Não .
— Então você prefere ficar muito triste á ficar mais ou menos triste ?
— Existe mais ou menos triste ?
— Claro que existe. Veja bem : você esta triste por causa de uma coisa, mas feliz por outra.
— Então a coisa pela qual você esta triste não te deixa realmente triste. Só parece tristeza. Mas pode ser só decepção ou cansaço ou qualquer outra coisa disfarçado de tristeza. Acredite em mim , tristeza te deixa realmente triste. Te faz chorar, ate te oculta a felicidade. Não existe isso de mais ou menos triste.
Ele a olhava com uma expressão confusa.
— Ual, nessa você me pegou. Mas ainda não estou totalmente convencido. Me diga, o morno, é mais ou menos ?
— É.
— Então você prefere um banho gelado ou fervendo á um banho morno ?
— E essa foi a sua vez de me pegar. Você ta certo, dessa vez.
— Me sinto incrível.
— isso é sarcasmo ?
— Não. Você não gosta de sarcasmo ?
— Na verdade eu gosto. É humor inteligente. Irrita as vezes, mas eu gosto.
Um momento de silencio se sucedeu.
— Quer voltar pro mais ou menos ?
— oi ?
— O assunto , o mais ou menos.
— Tá bom.
—Então me conta mais de mais ou menos que você não gosta.
— Deixa eu resumir pra você : Gosto do intenso. Do anormal, do encantador. Não quero metades. Aturo coleguismo por puro social. Gosto de quem gosta de mim, não gosto de quem não gosta de mim, ou seja não quero fingimentos. Quando choro, choro de mais , quando rio , rio demais. Quando bebo provavelmente fico totalmente bêbada, por isso na maioria das vezes não bebo. Ou chuto o balde completamente ou fico quieta. Tenho felicidade tão grande que chega a irritar as pessoas, tenho melancolias tão grandes que beiram a depressão. Crises nervosas com ânsia de vomito estão inclusas no pacote.Brigo de gritar, mesmo sabendo que quem grita só quer se impor e perde a razão.  Nada mais ou menos. Só o banho de morno. Morno é chato, é comum. Não quero ser uma pessoa comum.
— Você definitivamente não é comum.
— Me abrindo com um estranho, você deve me achar louca.
— Não sou um estranho.
— Não, imagina , é só o cara que eu acabei de conhecer batendo acidentalmente no meu caro e que estranhamente me ofereceu um almoço. E já que nos já decidimos que cada uma paga o concerto do seu carro,começamos a falar do tempo e aqui estamos. Então , não você não é um estranho, e eu não sou uma louca.
— Quando você chuta o balde completamente você deve ficar. — Ele riu. — Queria ver isso um dia.  E ai está seu humor inteligente, mais conhecido como sarcasmo.
Ela riu.
— Não te acho louca não. Muito menos comum. — Ele se inclinou um pouco mais na mesa em direção a ela — Deixa eu adivinhar outra das suas atitudes intensas : Nunca se abre, ou se abre de mais.
— Na mosca.                                                                               
Ele olhou para o relógio.
— Meu horário de almoço acabou, tenho que voltar ao trabalho.
Ele pediu ao garçom uma caneta, pegou um guardanapo e escreveu um numero com oito dígitos.
— Eu gostei tanto do seu, digamos, estilo de vida, que eu vou deixar meu  numero aqui com você, pra você me ligar, pra me ensinar a viver assim , que nem você , quem sabe.
— É, eu te ligo. A maioria dos homens fugiria de mim depois de uma abertura problemática que nem essa.
— Não achei problemática. E a maioria das mulheres ficariam inseguras de me ligar, mas já que você não é comum ...
— Deixa comigo, eu ligo. Já que você não fugiu até agora, deixa eu dizer mais uma coisa, prova de fogo.
— Diga , estou pronto.
— Pra mim não existem romances mais ou menos, ou é intenso, ou pule fora. Ou eu pulo fora. Não gosto muito de paixões , prefiro amor.
— É, eu já imaginava. Acho que eu estou entrando em território desconhecido, mas vou tentar.
— Você me surpreende.
— Deve ser difícil ser surpreendido, quando geralmente é você quem surpreende. Acho que eu tenho um termo que define você e que não usa a palavra louca ou intensa.
— E qual é ?
— Encantadora filosofa de botequim.
— Não sei se gosto.
— Não cabe a você gostar ou não. — Ele disse , já de costas , seguindo para o trabalho.
O resto da historia, você já pode adivinhar. 

Cristiana Drumond.

15 comentários:

  1. Olá!Muito obrigada!Sim,estou cirando um livro!Espero ficar bom!
    Daqui a pouco irei postar mais! :D
    Sigo também com muito gosto :D

    ResponderExcluir
  2. HAHAHAHAHAHA Que texto ótimo.
    Dá para "tirar" lindas e ótimas frases, já ficou algumas na minha cabela hoho
    Esses diálogos prenderam minha atenção ;) Linda forma de escrita hehe
    Adorei ler viu?
    Tá lindo o Blog, sucesso SEMPRE ;)
    Beeijão ;*


    Ewerton Lenildo - Academia de Leitura
    papeldeumlivro.blogspot.com
    @Papeldeumlivro

    ResponderExcluir
  3. Que lindo Cris, adoro diálogos e esse me tirou o fôlego! Amei.

    ResponderExcluir
  4. Olá Cristiana :)
    Tô passando pra te mostrar o meu novo blog, http://artenarotina.blogspot.com
    Ele é uma forma de jornal virtual completamente voltado pra cultura; então vale a pena seguir e conhecer ótimas dicas de livros, filmes, músicas e artistas!
    De qualquer jeito, mt obg pela atenção. Um beeijo!

    ResponderExcluir
  5. Nossa que perfeito! Obrigada pela visita e estou te seguindo, por favor volte sempre, gostei muito do seu blog!
    http://fazdecontatxt.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Seu blog é absurdamente encantador. Desde o visual até a sensação acolhedora.

    E que texto, uau! Fiquei rindo aqui sozinha, reconhecendo minhas "loucuras" nessa garota.

    E como arte e vida se imitam, fiquei até pensando se qualquer dia acabo trombando com um moço desses que faz você reaver suas próprias teorias.

    Vou seguir e voltar e voltar.


    Parabéns, moça talentosa.

    E obrigada pela grata visita.

    ResponderExcluir
  7. Muito fácil ler esse diálogo, mesmo comprido, mesmo cheio de surpresas. Porque você se encanta e quer mais, quer mais, até chegar no final e quase morrer. Adorei seu blog, adorei o texto e estarei sempre aqui pra morrer um pouquinho. Obrigada pela visita no meu blog e volte sempre. Cuide-se.

    ResponderExcluir
  8. Quase morri lendo kk
    mas gosto de narrativas e dá pra sentir muita verdade e sentimentalismo em tudo *-*

    comenta de volta?
    www.luliskd.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Nossa Cris, além de criativa você escreve muito bem Adorei o texto. Demorou pra eu terminar de ler, ufa, mas valeu a pena. Eu também sou meio assim, não gosto do morno não.. sou muito intensa pra coisas pela metade entende?

    Vi teu blog acho que no da Maíra Cunha e resolvi te visitar.. como gostei de tudo por aqui, já estou seguindo.

    Beijos flôr e parabéns pelo lindo blog.

    ResponderExcluir
  10. Bem, então estamos kits. SUDFYHDJSAKJ
    Eu adorei sua história, pois como disseram, é bem sentimental. KK, parabéns.!

    Agora vou dizer porque estamos Kits:


    Lembra do meu post de Votação para Histórias?
    Então, eu postei a história que venceu. Infelizmente não foi a que você votou, mas ficaria muito feliz se você pudesse perder um pouquinho do seu tempo, para ler, e me dar a sua opinião.
    Ela não é perfeita igual a tua, mas vale a pena conferir. HAUHAA
    Muito obrigada,

    nemsemprerealidade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Filosofia de mesa de bar... Achei o texto bem construído, com diálogos reflexivos e intensos... Bonito mesmo.

    ResponderExcluir
  12. Gosto mto de diálogos e gostei muito do seu :) Parabens!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  13. You are so gorgeous. Love your blog so much. Please follow my blog...

    ♥Love from Antalya♥

    http://antalya-magnificent-city.blogspot.com

    ResponderExcluir

deixe um comentário , um elogio ou uma critica . Tudo é bem vindo .